domingo, 24 de março de 2013

Pires de Lima defende remodelação no Governo

-

O dirigente do CDS-PP António Pires de Lima defendeu hoje que falta capacidade política ao Governo e que uma remodelação seria um sinal importante da parte do primeiro-ministro de que pretende levar a legislatura até ao fim.
Em declarações aos jornalistas, à entrada para uma reunião da Comissão Política Nacional do CDS-PP, na sede nacional do partido, em Lisboa, Pires de Lima defendeu também que, após a sétima avaliação do Programa de Assistência Económica e Financeira a Portugal, o executivo deve entrar numa nova fase, que dê mais importância ao crescimento económico.
"Eu acho que é necessário reforçar a capacidade política deste Governo, a capacidade de coordenação política deste Governo. Falta muitas vezes capacidade e competência política a este Governo. E falta, do meu ponto de vista, dar uma outra prioridade ao tema importante da economia, nomeadamente outra eficácia na captação de investimento", afirmou o presidente da Mesa do Conselho Nacional do CDS-PP.
"E isto provavelmente implica reforçar o Governo, eventualmente remodelar. Eu penso que esse seria um sinal importante e inequívoco que o primeiro-ministro daria no sentido do compromisso que tem de levar esta legislatura até ao fim, com um Governo eficaz, com um Governo competente e com um Governo preparado para agarrar os desafios fundamentais que temos nesta segunda fase da legislatura", acrescentou Pires de Lima.
Questionado se defendia a saída do ministro das Finanças, o presidente da Mesa do Conselho Nacional do CDS-PP respondeu que não queria entrar "na discussão de nomes", mas manifestou "muito apreço pelo trabalho" de Vítor Gaspar.
Para além de criticar a capacidade política do executivo PSD/CDS-PP, Pires de Lima apontou falhas na atração de investimento e na dinamização do mercado interno.
"Não há futuro para a economia portuguesa se o mercado interno desaparecer. É fundamental que o Governo encare essa realidade com outro tipo de prioridade e faça os ajustamentos que são necessários na sua estratégia, nas suas políticas e também na sua equipa para que esta segunda fase da legislatura seja mais voltada para a economia real, para as pessoas, para a criação de emprego do que foram estes primeiros dois anos do Governo", disse.
Notas do Papa Açordas: Que dizer, quando um dos principais elementos do CDS se manifesta a favor de uma remodelação deste desgoverno?...

Sem comentários: