sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Não existir

-
Baixar os impostos, aumentar rendimentos e ainda assim não ter nenhum problema com isso. É um conto de crianças. Não existe." Passos, sobre vitória do Syriza nas eleições gregas, 26/1/15
"Se formos governo, posso garantir que não será necessário despedir pessoas nem cortar mais salários para sanear o sistema português." Passos, presidente do PSD, 2/5/11
"Garanto que não financiaria a redução do défice recorrendo, sobretudo, aos salários dos funcionários públicos." Passos, presidente do PSD, 4/10/10
"O PSD não viabilizará um Orçamento que estrangule a nossa capacidade de crescer e que onere ainda mais os portugueses no pagamento de impostos." Passos, presidente do PSD, 10/10
"A haver algum ajustamento que seja necessário fazer, será mais por via dos impostos sobre o consumo do que do rendimento das pessoas através dos impostos ou através de cortes salariais ou das pensões." Passos, presidente do PSD, 24/3/11
"Em relação ao aumento das receitas fiscais, o esforço será feito sem aumento de impostos, baseando-se na melhoria da eficácia da administração fiscal, do combate à economia informal e à fraude e evasão fiscal, o que permitirá um alargamento da base tributável." Programa eleitoral do PSD, 8/5/11
"O aumento de impostos que já está previsto no documento que assinámos com a troika da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional já é mais do que suficiente." Passos, presidente do PSD, 5/11
"Desenganem-se aqueles que queiram ver [nisto] um instrumento de populismo, uma cedência à demagogia ou uma listagem de promessas fáceis. O que deixamos à apreciação e ao escrutínio dos portugueses resiste a qualquer teste de avaliação ou credibilidade. Tudo o [que] se propõe foi estudado, testado e ponderado." Programa eleitoral do PSD, 8/5/11
"Os funcionários públicos vão ser chamados a pagar uma parte significativa do esforço. Eles e os pensionistas. As medidas aplicadas aos trabalhadores do Estado e pensionistas são extremamente pesadas, mas não há alternativa." Passos, 25/10/11
"Ninguém impõe aos governos seja o que for, os países escolhem os seus caminhos." Passos, sobre vitória do Syriza, 26/1/15
"O princípio que rege este governo em matéria de austeridade é este: garantir que os objetivos que foram traçados na assistência internacional serão alcançados para permitir que o prestígio do país seja recuperado." Passos, 11/5/2012
"Fomos eleitos para cumprir programa de assistência. É o que estamos a fazer." Passos, 5/6/13
"Há necessidade de reintroduzir a autenticidade no debate político, privilegiando a substância do pensamento e da análise à forma da comunicação e submetendo as soluções apresentadas aos valores em que acreditamos." Passos, presidente do PSD, livro Mudar, 1/10. (Fernanda Câncio - Diário de Notícias)

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

UN MUERTO EN EL RODAJE DE UN FILME DE SCORSESE

-
Un muerto en el rodaje de un filme de Scorsese

UN MUERTO EN EL RODAJE DE UN FILME DE SCORSESE

Una persona murió y otras dos resultaron heridas durante la preparación de la filmación de Silencio ("Silence"), la nueva película del director estadounidense Martín Scorsese en Taiwán. Según la Oficina de Administración de Construcciones de Taipei, el accidente ocurrió en el Centro Cultural y Cinematográfico de Taipei cuando unos andamios provisionales de madera cayeron sobre los tres empleados taiwaneses. -(20minutos.es)


PREPARATIVOS PARA EL LANZAMIENTO DEL DELTA II

-
Preparativos para el lanzamiento del Delta II

PREPARATIVOS PARA EL LANZAMIENTO DEL DELTA II

Fotografía facilitada por la NASA que muestra un cohete Delta II de la misión de Humedad Activa Pasiva del Suelo (SMAP) en Vandenberg (Estados Unidos). El satélite recogerá datos de la superficie terrestre. (Bill Ingall / EFE)-(20minutos.es)




Nos outros blogs

-
 Jumento do dia
    
Paula Teixeira da Cruz

Poucos dias depois de ter dado uma entrevista a amigos do Expresso a ministra incompetente da Justiça tem receio de que o país conheça tudo sobre a sua actuação e a direita impede o parlamento de ouvir os responsáveis pelo Citius. Compreende-se o receio da direita, ouvir gente que serviu a ministra e depois foi vítima da sua arte de fugir às responsabilidades.

Se a ministra fosse competente e corajosa não permitia que os responsáveis do Citius fossem calados e era ela a pedir que fossem ouvidos no parlamento. Mas há coisas que não encontramos na praia desta ministra. Esta é uma ministra citiada pela sua incompetência, pelos seus valores e pela protecção de uma maioria pouco preocupada com os interesses nacionais.

«Os partidos da maioria PSD e CDS/PP chumbaram esta quarta-feira um requerimento do Bloco de Esquerda (BE) para ouvir na Assembleia da República o ex-presidente do Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça (IGFEJ) que gere o Citius. O BE requeria ainda a audição do ex-vogal daquele instituto responsável pela área informática, Carlos Brito. PS, PCP e BE votaram todos a favor da audição dos responsáveis na Comissão Parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdade e Garantias.

Depois de ter sido exonerado pela tutela, Rui Pereira, disponibilizou-se para ser ouvido naquela comissão parlamentar para contar "a verdade" sobre o crash informático que durou mês e meio, até meados de Outubro, tendo bloqueado durante esse período os tribunais de primeira instância. "Não está devidamente salvaguardada a normalidade de funcionamento da plataforma ", avisava o ex-dirigente na carta que enviou aos deputados.

Face ao chumbo da sua audição, Rui Pereira, acusa agora a maioria parlamentar de querer “proteger a ministra [da Justiça, Paula Teixeira da Cruz]. Segundo defende, Paula Teixeira da Cruz não terá "competências técnicas para ser responsabilizada pelo colapso, mas tem responsabilidades políticas”.

O ex-presidente do IGFEJ lamenta que “a maioria não tenha querido que os portugueses fiquem a saber a verdade do que sucedeu”. Agora, “não há nada mais a fazer. Não posso fazer mais. Temos de rezar, sublinho rezar, para que tudo corra bem com o Citius”, referiu ainda. Para Rui Pereira era importante que fosse divulgado publicamente o relatório da Inspecção-Geral da Justiça sobre o colapso do Citius e a consequente auditoria técnica. “A ministra continua a não quer divulgá-lo”, criticou.» [Público]

In "O Jumento"

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

TORMENTA DE NIEVE EN NUEVA YORK

-
Tormenta de nieve en Nueva York

TORMENTA DE NIEVE EN NUEVA YORK

Un hombre pasa en Nueva York (EE UU) junto a los gigantescos muñecos de nieve creados en mármol por el artista suizo Peter Regli y conocidos como Snow Monsters 2015. Vastas áreas del noreste de Estados Unidos están en estado de emergencia y en la ciudad de Nueva York se prohibirá el tráfico de vehículos por una de las mayores tormentas de nieve de la historia reciente del país. (Jason Szenes / EFE)-(20minutos.es)


70 ANIVERSARIO DE LA LIBERACIÓN DE AUSCHWITZ

-
70 aniversario de la liberación de Auschwitz

70 ANIVERSARIO DE LA LIBERACIÓN DE AUSCHWITZ

Exprisioneros se concentran ante el campo de concentración nazi de Auschwitz I antes de depositar flores ante el llamado Muro de la Muerte. Este es uno de los actos para conmemorar el 70º aniversario de la liberación del campo de exterminio de Auschwitz-Birkenau en Oswiecim (Polonia). (Andrzej Grygiel / EFE)-(20minutos.es)


A ministra que dá entrevistas mal

-
Perguntou-lhe o Expresso: "Fala ao telemóvel com tranquilidade?" Respondeu Paula Teixeira da Cruz: "Falo como se fosse para um gravador." Pareceu-me mais uma tecnoexcluída. Lembrei-me dum igual, Salgado Zenha, que disse que metia gasolina no radiador. O país riu muito, e bem precisávamos (estávamos nas vésperas do Verão Quente). Zenha deve ter rido também, e podia. Não ficou com a honra do cargo beliscada: ele era ministro da Justiça e não deixa de se ser um digno governante se o carro cair em pane com o depósito seco. Mas o caso de PTC, também ministra da Justiça, é diferente. Ela foi para a entrevista do Expresso com dossiers, manuseou-os e citou-os. Mas quando chegou à questão de as conversas telefónicas serem escutadas nos processos jurídicos, ela resvalou para o indecente. O jornal perguntou: "Ouve barulhos esquisitos ao telefone?" Ela respondeu: "Há tantos barulhos esquisitos na vida." Depois, aconteceram a pergunta e a resposta já referidas no começo da crónica. Quer dizer, das duas vezes PTC foi curta, em tamanho e moral, como uma piadola. Isso, quando há escutas extraídas de processos em segredo de justiça - à guarda de magistrados e só deles - que vêm sendo publicadas! A ministra em vez de zelar pela honra do seu ministério, desdenha dela. Goza com o escândalo que acontece na importante casa que lhe confiámos. Senhora ministra, que tal dar entrevistas como se fosse para um gravador? (Ferreira Fernandes - Diário de Notícias)

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Sousa Tavares: "Se não formos fiés escudeiros de Merkel, seremos beneficiados"

-
Para Miguel Sousa Tavares, a vitória do Saryza na Grécia obrigará a uma renegociação da dívida daquele país. Portugal, se não se colocar como "escudeiro" de Merkel, poderá beneficiar com isso.

Miguel Sousa Tavares afirmou esta noite, na SIC Notícias, que a vitória do partido de esquerda Syriza, na Grécia, é o resultado de terem encostado “o povo à parede”.

“A grande lição é que é isto que acontece quando se encosta um povo à parede. O que os gregos disseram é que como as coisas estavam não podia ser e optaram pela alternativa”, afirmou.

Para o comentador, houve dois motivos que ditaram a vitória do partido liderado por Alexis Tsipras , nomeadamente o “estilhaçar da classe média” e a “noção de que não havia perspetiva nenhuma”.

Sousa Tavares acredita que, perante “a devastação económica e social que as políticas dos alemães e de Passos Coelho” criaram, será necessário recorrer “à renegociação da divida grega".

“A Europa vai ter que ouvir a Grécia e renegociar a divida e, se não nos colocarmos como fiés escudeiros de Merkel, vamos ser beneficiados”, atirou.(Notícias ao Minuto)

ANIVERSARIO POLÉMICO

-
Aniversario polémico

ANIVERSARIO POLÉMICO

Los hornos crematorios del campo de concentración alemán nazi Auschwitz II-Birkenau están cubiertos de nieve en Oswiecim (Polonia. Mañana se conmemora el 70 aniversario de la liberación del campo de exterminio de Auschwitz-Birkenau, envuelto en la polémica por la ausencia del presidente ruso, Vladímir Putin. Las relaciones entre Polonia y Rusia atraviesan su peor momento de las últimas décadas a cuenta de la crisis de Ucrania. (Jacek Bednarczyk / EFE)-(20minutos.es)



HISTÓRICA VICTORIA DE SYRIZA EN GRECIA

-
Histórica victoria de Syriza en Grecia

HISTÓRICA VICTORIA DE SYRIZA EN GRECIA

Alexis Tsipras, líder del partido radical de izquierdas Syriza, celebra su victoria frente a sus seguidores, en Atenas (Grecia). Syriza se alzó con una clara victoria en las elecciones generales celebradas al obtener el 36,34 % de los votos, con el 99,8 % de los sufragios escrutado. Según estos datos, Syriza obtiene 149 escaños, y se queda por tanto a dos diputados de lograr la mayoría absoluta. (Michael Kappeler / EFE)-(20minutos.es)


José Miguel Júdice diz que é “um absurdo” Sócrates estar preso

-
O advogado José Miguel Júdice afirmou, no programa "A Propósito" da SIC Notícias, que é "um absurdo" Sócrates continuar preso, defendendo que a prisão preventiva deve ser usada só excecionalmente.

O advogado e antigo Bastonário da Ordem dos Advogados, José Miguel Júdice, considera “um absurdo” manter preso o ex-primeiro-ministro socialista, José Sócrates. Júdice, que falava no programa “A Propósito” da SIC Notícias, no sábado à noite, desconstruiu ainda uma das justificações para ter sido aplicada a medida de prisão preventiva a Sócrates, no âmbito da “Operação Marquês”.
“É absurdo mantê-lo preso. A prisão preventiva não pode ser um instrumento para fazer as pessoas cantarem, não pode ser um instrumento para humilhar, não pode ser um instrumento para que ele comece a cumprir uma pena”, defendeu o advogado, acrescentando que “a prisão preventiva deve ser limitada em casos muito excecionais”. José Miguel Júdice não crê que este seja um desses casos.
“Ele [Sócrates] andar pela rua podia influenciar as testemunhas, mas ele não pode mandar influenciar as testemunhas designadamente pelo seu advogado? Não estou a dizer que o fizesse, Santo Deus. Mas não podia? Não pode através de um amigo?”, questionou, rematando que se está a começar a voltar a abusar da prisão preventiva, depois de uma década de melhorias.
José Sócrates foi detido à chegada ao Aeroporto da Portela a 21 de novembro de 2014 e no dia 24 foi decidida a medida de coação. Já na madrugada do dia 25, faz este domingo dois meses, foi em prisão preventiva para a prisão de Évora. O ex-primeiro-ministro, José Sócrates está indiciado por fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais e corrupção, no âmbito da “Operação Marquês”.(Observador)
Notas do Papa Açordas: Esta prisão só pode ser justificada pela sua componente política...

domingo, 25 de janeiro de 2015

Portas mete girl no banco de Fomento

-
A nomeação de uma dedicada militante centrista para a comissão executiva do banco de Fomento está a gerar polémica e a levantar suspeitas de favorecimento partidário. Maria João Nunes, vogal da Comissão Concelhia do Porto do CDS e técnica do departamento de Turismo da Câmara Municipal do Porto (CMP), não tem experiência de gestão bancária nem ligação a empresas.
Nos últimos 10 anos, a sua carreira repartiu-se pelo gabinete municipal de turismo e cargos autárquicos em juntas de freguesia. Licenciada em Direito, Maria João tem a particularidade de ser casada com Rui Morais, autor da reforma fiscal tão elogiada pelo CDS e Paulo Portas. Rui Morais não cobrou dinheiro pelo documento.
A nomeação é "um rude golpe na dignidade da política e do banco de Fomento", reagiu ao Expresso um militante do CDS,  sob anonimato. Outras fontes classificam de "escandalosa" a  "fulgurante ascensão". Maria João nunca esteve contactável e não respondeu às mensagens do Expresso.
A escolha foi validada pela Comissão de Recrutamento e Seleção para Administração Pública (CRESAP) que reconhece "formação adequada" e valoriza a "experiência  na área do marketing". No currículo, cita passagens como diretora das agências Ava - Marketing e Publicidade (1994/95) e McCann Erickson Porto (1995/2003). (Expresso)
Notas do Papa Açordas: Até os próprios militantes do CDS estão incrédulos!... Uma vergonha para a política e para o país!...

Nos outros blogs

-
 Jumento do dia
    
Paulo Macedo

O espectáculo proporcionado por Paulo Macedo numa visita a um centro de saúde devidamente escolhido e a horas inconvenientes foi uma encenação digna de uma telenovela mexicana. Paulo Macedo não foi lá ver nada, não foi resolver nada, nem sequer estava preocupado com os doentes, ainda que se tenha dirigido com ar interessado a um utente que lá teve de o aturar. A encenação do Opus ministro Macedo visava uma única coisa a sua própria imagem.

O corajoso Paulo Macedo não visitou nenhuma das urgências onde morreram portugueses ao abandono, não visitou sequer a urgência de um hospital, o espertalhão optou por visitar dois centros de saúde e mesmo aí optou por um sábado, dia em que por ignorância dos utentes estava às moscas. Todas as televisões estavam devidamente prontas para ouvir a excelência dizer as suas patacoadas. Como é óbvio, não escolheu nenhuma urgência hospitalar, locais onde se arriscava a ouvir uns apupos, senão mesmo a ser corrido na companhia do seu secretário de Estado adjunto.

É deprimente ver um Paulo Macedo que não sabe o que fazer ao cachecol, a importunar doentes que esperam tranquilamente, para depois se dirigir à comunicação social para assegurar que tem dinheiro à farta para contratar enfermeiros e médicos. Só não disse se vai contratar os que expulsou para o Brasil ou os que fugiram de Portugal para a Inglaterra.

Portugal tem um ministro da Saúde letal e a quem a oposição se esquece de exigir a demissão por incompetência e destruição intencional do SNS. Há quem ande preocupado com a maçonaria e se esqueça do poder da Opus Dei.

In "O JUMENTO"

ENTRENAMIENTO PARA EL RED BULL CRASHED ICE 2015

-
Entrenamiento para el Red Bull Crashed Ice 2015

ENTRENAMIENTO PARA EL RED BULL CRASHED ICE 2015

Fotografía suministrada por Global Newsroom del entrenamiento de uno de los participantes antes del campeonato del mundo Red Bull Crashed Ice 2015 en Saint Paul, Minnesota (EE UU). (Balazs Gardi / EFE)-(20minutos.es)




Gozar é que não, por favor

-
1. Na próxima segunda-feira, Angela Merkel vai homenagear o seu fiel escudeiro: Durão Barroso. Ninguém levantaria o sobrolho se daqui a uns tempos Passos Coelho fosse alvo de um agradecimento público alemão similar. Temos assim que um dos países mais prejudicados pela solução alemã para a crise tem dois dos seus mais proeminentes cidadãos como maiores defensores dessa mesma solução.
Não duvido das boas intenções de Passos Coelho ou de Durão Barroso (deste senhor com algum custo, porém), mas que foram delegados de interesses que vieram a revelar-se profundamente nefastos para o seu país não restam dúvidas.
E não foi por qualquer tipo de convicção político-ideológica que estes dois cavalheiros embarcaram na nau alemã. O caminho que até agora foi prosseguido não teve origem em qualquer tipo de pensamento de centro-direita ou, sequer, aparentado - basta ver que a coligação que governa a Alemanha junta o centro-esquerda e o centro-direita -, era, e ainda é, uma política que servia os interesses da Alemanha, baseada em receios alemães - a célebre hiperinflação pré-guerra -, originada em argumentos morais, como a suposta preguiça das comunidades do Sul. Rigorosamente nada que ver com opções de direita ou esquerda.
O plano Draghi está longe de garantir o fim da crise no espaço europeu, vem com muito atraso e ainda falta saber se veio a tempo de evitar a deflação e garantir um ainda maior agravamento do estado da economia, mas é uma inversão no caminho até agora seguido. É preciso que o dinheiro chegue à economia, que o investimento - privado e público - recupere, que o consumo aumente e que termine, por exemplo, a asfixia fiscal. E é bom que ninguém esqueça: se não houver, no caso português, e outros, uma renegociação séria da dívida, o plano terá um alcance muito limitado.
A anterior receita falhou e, mesmo a nova resultando, as consequências do que tivemos nos últimos anos perdurarão por muito tempo. A destruição foi brutal. Faliram-se setores inteiros da economia, atingiu-se um nível de desemprego chocante, os empregos criados são pagos miseravelmente, emigrou quase 8% da nossa população ativa, os serviços públicos estão em risco iminente de colapso, o investimento desapareceu, passámos a suportar a segunda maior carga fiscal da Europa - o maior crescimento de impostos de sempre -, diminuiu-se dramaticamente os padrões de vida da classe média ou, talvez melhor, quase se acabou com esse estrato socioeconómico que é a base de qualquer democracia.
Para quê? O que mudou para melhor na nossa comunidade? É verdade, as exportações melhoraram, o turismo cresceu. E essas evidentes melhorias foram consequência de alguma reforma estrutural, de alguma mudança de paradigma, de algo associado à política prosseguida? Claro que não. E mesmo que tivessem sido, o balanço era dramaticamente negativo e isso nem carece de explicação.
É aflitivo ouvir falar da necessidade de não parar as constantemente cantadas reformas estruturais. Mas quais? A produtividade aumentou? As empresas estão mais capitalizadas, têm menos barreiras burocráticas? O nosso nível de habilitações está a crescer? As instituições estão mais fortes? A desigualdade diminuiu? A nossa Justiça está melhor? A nacionalização de parte da economia pelo Estado chinês é algo de benéfico?
Não, não é possível perdoar toda a destruição. Não é possível encarar quem impôs esta política e , sobretudo quem a apoiou, a aplaudiu de pé e até quis ir além dela. Não é possível aceitar que, pronto, "desculpem lá," houve um engano. Mas o que não é mesmo suportável, o que ofende, é dizer que se acha muito bem este novo caminho na política europeia. O primeiro-ministro não pode dizer com toda a calma que a "decisão é bem-vinda", que nunca disse o contrário. É mentira, é uma redonda e vergonhosa mentira. Então não foram este tipo de medidas que levaram à guerra? Que "se o BCE tivesse por função resolver o problema, imprimindo mais euros, seria um péssimo sinal que nós daríamos a toda a gente"? Que o BCE não podia tomar estas medidas?
Um bocadinho de vergonha, por favor. Tratou-nos mal, senhor primeiro-ministro, enganou-se e fez muito mal ao país, mas, ao menos, não nos goze.
2. Paula Teixeira da Cruz disse ontem, ao Expresso, que fala para o telefone como se fosse para um gravador. Como assumo que não pensará estar a ser investigada por nenhum crime grave, temos uma ministra que não está preocupada com a violação de um direito básico numa democracia. Dá-se ainda que a senhora tutela a Justiça, ou seja, sendo a sua função criar as condições para que a Justiça funcione de modo correto, fico também a saber que não quer saber de, sequer, tentar exercer as suas funções.
É uma entrevista exemplar, Teixeira da Cruz defende a inversão do ónus da prova e mostra indiferença perante o direito à privacidade.
Vamos assim andando com uma ministra da Justiça cujo principal problema nem é a sua evidente incompetência, é não perceber nem conhecer os princípios fundamentais de um Estado de direito. Nada que não soubéssemos, verdade seja dita.
(Pedro Marques Lopes - Diário de Notícias)

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

NUEVAS IMÁGENES DEL COMETA 67/CHURYMOV-GERASIMENKO.

-
Nuevas imágenes del cometa 67/Churymov-Gerasimenko.

NUEVAS IMÁGENES DEL COMETA 67/CHURYMOV-GERASIMENKO.

Fotografía de fecha desconocida facilitada por la Agencia Espacial Europea (ESA), que muestra la superficie del cometa 67/Churymov-Gerasimenko. La sonda espacial Rosetta, que acompaña al 67P en su viaje al Sol, registra cada detalle de la transformación del cometa. El módulo Philae, que consiguió aterrizar en el cometa tras separarse de Rosetta en noviembre de 2014, entró en hibernación por la falta de sol que recarga sus baterías. Se espera que Philae vuelva a la actividad a medida que el cometa se acerque al Sol. (Rosetta / EFE)-(20minutos.es)


BÚSQUEDA DE LAS VÍCTIMAS DEL AVIÓN DE AIRASIA

-
Búsqueda de las víctimas del avión de AirAsia

BÚSQUEDA DE LAS VÍCTIMAS DEL AVIÓN DE AIRASIA

Miembros de los servicios de rescate continúan la búsqueda de las víctimas del vuelo QZ8501 de AirAsia en Pangkalan Bun (Indonesia). Los equipos de rescate hallaron ayer seis cadáveres en el fuselaje del Airbus 320-200 de AirAsia que se estrelló en el mar de Java con 162 personas a bordo el 28 de diciembre pasado, por lo que quedan por recuperar 103 cuerpos. (Str. / EFE)-(20minutos.es)



INCENDIO EN SEDE DE LOS AFICIONADOS DEL AJAX

-
Incendio en sede de los aficionados del Ajax

INCENDIO EN SEDE DE LOS AFICIONADOS DEL AJAX

Vista del incendio registrado en la sede de los aficionados del Ajax cerca del Amsterdam Arena en la madrugada de este viernes en Ámsterdam (Holanda). Según el departamento de bomberos, el edificio ha quedado casi completamente calcinado. El club también ardió en enero de 2005 en un incendio aparentemente provocado. (Olim Bajmat / EFE).(20minutos.es)


Pagamento: Devia cinco cêntimos e ficou com salário penhorado

-
Um empresário de Paços de Ferreira dirigiu-se às Finanças para pagar o seu imposto de selo do carro, mas quando lá chegou descobriu que o salário da sua mulher tinha sido penhorado por uma dívida de cinco cêntimos, em virtude dos juros por atraso no pagamento do selo de um outro carro.

Augusto Gonçalves é um comerciante de Paços de Ferreira e quando se dirigiu às Finanças para pagar o imposto de selo do carro percebeu que o salário da sua mulher estava penhorado por uma dívida de cinco cêntimos.

“Por cinco cêntimos penhoraram o salário da minha mulher! Ainda estive para perguntar se poderia pagar os cinco cêntimos em prestações”, diz Augusto Gonçalves, de 46 anos, num tom de ironia ao Jornal de Notícias.

O homem, que é dono de um café, contou que perante a situação pagou com uma nota de cinco euros, apesar de ter moedas no bolso.  

Tal aconteceu quando foi pagar o selo de um Honda que, entretanto vendeu, e foi confrontado com o atraso do pagamento de um selo de outro carro, um Volkswagen Polo, que estava em nome da mulher, mas há muitos anos tinha sido vendido.

“Disseram-me que o sistema eletrónico é cego e que, por haver juros, foi emitida uma penhora imediata sobre o salário da minha mulher”, conta.

“Será normal que o Fisco penhore um salário por uma dívida de cinco cêntimos?”, questiona.
Segundo as Finanças, o sistema eletrónico de penhoras dispara automaticamente. Em causa está a falta de pagamento de um selo no valor de 27,5 euros, que devia ter sido liquidado até 3 de junho. 

Augusto foi alertado da execução a 9 de setembro de 2014, mas só o pagou a 22 de outubro de 2014.
O comerciante vai ter ainda de pagar uma coima, que ainda não está no sistema, de 68,25 euros.(Notícias ao Minuto)

Notas do Papa Açordas: Isto é do mais estúpido que temos visto na Administração Pública... Os 5 cêntimos não foram pagos na devida altura certamente por não terem informado o utente...


Sortear suspeitas

-
Um procurador quer assistir ao sorteio, no Tribunal da Relação, que decidirá, em suposta aleatoriedade, qual coletivo de juízes apreciará um recurso referente a processo cuja acusação dirige. Apesar de a notícia que tal revelou, publicada na segunda-feira no Correio da Manhã e até agora não desmentida, certificar tratar-se de algo totalmente inédito, nela não se encontra referência a qualquer contacto com o procurador em causa para confirmar ou infirmar o facto; muito menos contraditório perante a expressão de uma suspeita tão forte sobre um procedimento de um tribunal que levaria um agente judicial a querer estar presente para "policiar".

O paradoxo continua na reação no dia seguinte, no Expresso online, do presidente do Tribunal da Relação. Este é citado dizendo que não recebeu qualquer pedido, que a receber seria o primeiro, que não acredita que venha a ser feito mas que se for não se oporá. Termina garantindo que a escolha do coletivo é feita por computador e não pode ser "manipulada de forma alguma". Assim, a afirmação do juiz de que não acredita na intenção noticiada - como quem diz que é inacreditável - é o mais longe que vai. Perante a insinuação pública, para mais atribuída a um destacado membro do sistema de justiça, de uma suspeita gravíssima sobre o seu tribunal, prefere fazer de conta que não percebeu.

Também o silêncio até agora total da Associação Sindical de Juízes (normalmente tão reativa a toda e qualquer crítica aos magistrados que representa, tão repudiante de tudo o que lhe pareça cheirar a "pressão") e do órgão que superintende a judicatura, o Conselho Superior de Magistratura, parece evidenciar que algo só passível de ser interpretado como infamante para os juízes - a insinuação de que se viciam sorteios nos tribunais e que os magistrados não são isentos e imparciais, podendo existir decisões estabelecidas à partida - é por estes recebida como nada tendo de especial.

A não ser, claro, que o que determina tal ausência de indignação pública seja, não o que é dito, mas quem diz. E a pessoa a quem a intenção é atribuída é Rosário Teixeira, o procurador que dirige a acusação a Sócrates. Sendo sabido que Sócrates e o processo em que é central extremam as perspetivas, a visão à lupa do sistema judicial assim propiciada só poderá ser desconsiderada por fanáticos. E o que se vê neste episódio (e outros) é aterrador. 

Se é a qualidade da pessoa, e eventualmente do processo em causa, a calar os expectáveis - obrigatórios, mesmo - protestos da judicatura, que dizer da pressão assim criada sobre quem irá decidir o recurso? Que dizer da justiça que podemos esperar neste processo - e portanto em todos os outros? E como olhar, à luz do labéu que a notícia lança sobre todos os juízes, o facto de aquele com quem Rosário Teixeira trabalha em tão noticiada sintonia não ter sido escolhido no tal aleatório sorteio da praxe mas se impor como único? Podemos suspeitar, também? - (FERNANDA CÂNCIO - Diário Notícias)